FIAT PANDA – REI DO RALI MAIS FAMOSO DO MUNDO

domingo, 15 de Janeiro de 2017

Fiat Panda conquista o deserto:

PanDakar, rei do mais famoso rali do mundo.

 

  • O Panda estabeleceu um recorde absoluto na história do Dakar: foi o primeiro carro italiano, o primeiro modelo Fiat e a primeira viatura utilitária derivada de um veículo de série a terminar o rali mais icónico do mundo.
  • Apesar das adversas condições meteorológicas do rali de 2017, o PanDakar completou com sucesso todas as etapas da prova, desenroladas através da Argentina, da Bolívia e do Paraguai.
  • O PanDakar – derivado do multipremiado Fiat Panda – superou com distinção todas as etapas, sobrevivendo a testes extremamente exigentes.
  • Das 93 equipas participantes, só 53 chegaram ao fim. Entre as equipas vitoriosas estava a Orobica Raid, que levou o PanDakar ao sucesso através de percursos duros e desertos tórridos.

 

A Fiat teve um papel histórico da edição de 2017 da prova mais difícil do mundo, o Dakar, tendo participado com um carro estritamente derivado do multipremiado Panda. Sob a denominação PanDakar, esconde-se um Fiat Panda 4x4 Cross equipado com o potente e eficiente motor 2.0 Multijet de 180 cv, rigorosamente de série, submetido a ligeiríssimas alterações para adaptar o pequeno utilitário às exigências da prova.

Os créditos da extraordinária façanha do PanDakar vão para a equipa Orobica Raid, formada em 2008 e liderada por Giulio Verzeletti, especializado em provas de longa distância, como o Dakar. Toda a equipa é constituída por pilotos experientes que, no conjunto, contam com mais de 40 participações no Dakar (http://www.pandakar.it/). Os Italianos Giulio Verzeletti – que conduziu motas, carros e camiões em 15 edições do Dakar – e Antonio Cabini – que participou na prova 20 vezes, igualmente ao volante de motas, carros e camiões – levaram o PanDakar até à linha da meta, contando com o inestimável contributo de Nicola Montecchio, que cuidou de todos os aspectos ligados à preparação do motor, especialmente para superar as elevadas altitudes e os longos percursos da prova.

As 12 etapas do espectacular Dakar 2017 desenrolaram-se ao longo de 3 países latino-americanos – Argentina, Bolívia e Paraguai –, quase 9.000 km e mais de 4.000 km de esgotantes provas especiais. O PanDakar, o primeiro veículo utilitário estritamente derivado de um modelo de série a completar a prova, teve de enfrentar muitos desafios: 7 das provas especiais tinham mais de 400 km e uma delas ultrapassava mesmo os 500 km e tanto os carros como as equipas tiveram de lidar com problemas ligados à carência de oxigénio por causa da altitude, que nunca desceu dos 3500 metros ao longo de 2200 km durante 6 dias. Para além disso, as temperaturas excediam com frequência os 40° Celsius, o que, aliado à extrema variabilidade do tempo, exercia grande pressão tanto sobre a resistência mecânica do PanDakar como sobre a resiliência física da equipa.

Os atributos que tornam o Fiat Panda Cross ágil e fácil de conduzir, como as dimensões compactas (é o modelo 4x4 com menos de 3,8 metros de comprimento mais vendido na Europa) e a notável capacidade para evoluir em qualquer tipo de terreno sob quaisquer condições meteorológicas, foram fundamentais para o extraordinário resultado alcançado pelo PanDakar no Rali de Dakar 2017. 

Estas características – aliadas à versatilidade das 5 portas e do interior modular, ao seu nível de conforto e à eficiência dos seus motores, com 4 alternativas de alimentação – explicam o motivo de o Panda ter sido o citadino mais vendido na Europa em 2016, estabelecendo, com mais de 190.000 matrículas, um recorde de vendas. O Panda foi líder de vendas em Itália pelo quinto ano consecutivo, encabeçando o segmento A em Itália, na Grécia e na Sérvia. Ficou ainda entre os três modelos mais vendidos em Espanha, Áustria, Eslovénia, Croácia e Suíça. As combinações proporcionadas pelos eficientes motores a gasolina, gasóleo, gás natural e GPL, para além das duas versões 4x4, transformam-no na escolha perfeita para qualquer tipo de utilização ou exigência, seja no slalom urbano, seja na neve... E, a partir de agora, também no deserto.